Colcha de Retalhos

"O homem é um deus quando sonha e não passa de um mendigo quando pensa." Holderlin

Textos

QUALQUER MARGEM
Sonhei que desafiava ventos com asas utópicas. Acordei de repente ao cair no mar e perceber a minha realidade entre margens de horizontes. Solidão de ser também margem. Solidão de não ser entre infinitos. Mergulhei e busquei minhas origens escondidas entre âncoras de barcos já partidos - resgatei os afetos mais íntimos enquanto escoriava a pele na tentativa de me libertar das cicatrizes da queda. Não havia asas. O vôo era um sonho ou um engano, mas deixou ao despertar os traços das pernas trêmulas de medo e de um olhar perdido entre o espanto e a resignação. Atraquei minhas ilusões na realidade, esqueci as asas, destrui os mapas de navegações, as rotas dos ventos, os retratos antigos, as declarações recorrentes... Equilibrei o corpo na orla e percebi a paisagem como a perspectiva de uma nova janela para a alma.
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 29/07/2015
Alterado em 29/07/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (autoria de Helena Sut). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras